terça-feira, 2 de maio de 2017

MARIA ROSÁRIO (ROSARINHO) A GINASTA CAMPEÃ QUE COLOCA OS ESTUDOS EM PRIMEIRO PLANO

Maria Rosário Mariz, conhecida no meio da ginástica, como “Rosarinho”, sagrou-se Campeã Nacional de base, em Ginástica Rítmica, nos campeonatos disputado neste mês de Abril e terminou na quinta posição, nos nacionais da primeira divisão, na prova realizada no passado fim-de-semana.

Confessa, que os estudos são a primeira opção e caso contrário, poderia ser uma ginasta em constante luta pelos títulos.


Fazendo uma apresentação pessoal, quem é a Rosarinho?

Chamo-me, Maria Rosário Mariz, tenho dezasseis anos, estudo no décimo ano na Escola Clara de Resende e pratico ginástica Rítmica desde os oito anos, sempre no Boavista Futebol Clube.


Porque a opção pela ginástica?

Eu necessitava de praticar um desporto e experimentei o Ténis, aqui no Boavista. Confesso, que não gostei do Ténis e trouxeram-me para a experimentar na ginástica, aqui sim, gostei e como gostei… fiquei.


Pareces-me uma jovem decidida e frontal, por isso, vou colocar uma questão melindrosa e algo polémica. Tenho conhecimento, que a Rosarinho, está neste actual patamar, quando podia ser uma das melhores atletas nacionais, bastaria para isso…querer. Concordas?


Sim concordo. Eu sei que se me aplicasse totalmente na ginástica iria de certeza mais longe, mas vejo e vivo a ginástica, como um hobbies, um escape, levando isto, na desportiva.


Qual a razão?

Optei, em colocar os estudos em primeiro lugar. Primeiro (sempre) os estudos e só depois a ginástica. Conversei sobre isto com os meus pais, que foram da mesma opinião e assim, a escola passou a estar sempre em primeiro plano, sobre tudo o restante. Para ser uma ginasta de mais qualidade, teria que apostar mais na modalidade, abdicando de muita coisa e assim fiquei neste nível, embora seja uma apaixonada pela ginástica.


Qual os aparelhos que mais gostas e o que gostas menos?

O que gosto mais é “Bola”, onde me sinto bem e tenho mais experiência.  O que gosto menos é “Fita”. Sendo o mais bonito de se ver, é claramente, o mais complicado de se fazer, porque qualquer falha conta. ´+e um aparelho, ingrato e mais difícil.


Quantos treinos realizas por semana?

Cerca de quatro treinos. Supostamente três horas por dia. Como pôde ver, aproveitei as férias da Páscoa para treinar todos os dias.


Como é que uma jovem, abdica das férias?

A verdade foi essa, abdiquei das férias e de muitas coisas, como estar com as minhas amigas, para treinar aqui todas as manhãs, para conseguir melhores prestações nas provas que iria disputar.


E resultou! Porque não poderia ter sido melhor, dado que te sagraste Campeã Nacional de base. Com te sentiste como Campeã Nacional?

A prova correu bem, mas podia ter corrido ainda melhor.


Desculpa. Conquistas o título Nacional e dizes que ainda podia ser melhor. Como é possível tal afirmação?

Eu senti que não foi uma prova perfeita. Cá fora pode não se ver algumas falhas, mas eu senti-as e sei que as cometi. Foram pequenas, claro que foram, mas eu sei que tive, a nível corporal. Mas senti, também, que o título foi merecido, porque fui a melhor.


Já tinhas conseguido o título de Campeã distrital, juntas o Nacional de Base e és convidada- na condição de Campeã Nacional - para participares o campeonato nacional da primeira divisão. Nessa prova estiveste em excelente plano. Isso, prova que podias -  como já afirmamos - ter sido muito melhor ginasta,?

Exatamente. Gostei da minha prestação, que achei muito boa, terminando em quinto lugar da geral e se não fosse a prestação (menos boa) que tive nas “Maças” teria terminado em lugar de pódio.


Resume a tua prestação…

As minhas classificações foram:

Primeira classificada na, Bola

Segunda, na, Fita

Sétima no, Arco

Décima nas, Maças


Significa, que individualmente, foste a melhor ginasta dos campeonatos, em Bola e segunda na Fita. Como te sentiste?

Feliz pela prestação no aparelho que mais gosto, feliz por ter sido segunda no mais difícil e um pouco frustrada pela prestação nas Maças, onde deveria ter sido melhor, porque deixei cair duas vezes uma das Maças. Este aparelho, foi o último e eu estava demasiado cansada.

Foi acima de tudo, uma honra representar o Boavista na primeira divisão e foi um prazer ouvir as treinadoras dizerem que tenho capacidade para estar na primeira divisão. Foi positivo e fiquei feliz.


Com base em tudo o que conquistaste, como responderás a um convite das tuas treinadoras para passar para a equipa da primeira divisão?

Já pensei nisso, porque considero que me irão convidar, mas tudo terá a ver com os estudos, porque o próximo ano será um ano de exames. Teria que aliar tudo, ter boas notas e trabalhar em condições para merecer e estar na primeira divisão.


Vi os teus olhinhos felizes, quando conquistaste o título de base. Porque não, te dedicares por dois anos e saíres da competição como Campeã nacional da primeira divisão?

Obviamente, que estava feliz, ganhar é sempre bonito. No resto, depende. Se os treinos continuarem nesses horários até posso mesmo ponderar e apostar, mas os estudos sempre em primeiro.


Uma menina que chega aqui há oito anos atrás e agora jovem, como sente e o que representa ser atleta do Boavista?

Um orgulho. Reconheço o crescimento do Boavista como clube, para além do futebol. A nível de ginástica, embora as condições ainda não sejam as ideais, têm vindo a melhorar todos anos e a todos os níveis. Os resultados da ginástica têm vindo a melhorar, fruto do trabalho que se continua a fazer no Clube.


Sentes, então, os melhoramentos e benefícios na ginástica do Boavista?

Sim, as instalações estão sempre a melhorar, com o senhor Pina sempre  a trabalhar, a correr (rindo-se) e sempre atento.

Para o ano teremos a Rosarinho, Campeão da primeira divisão?

Ganhar é sempre bonito. Vou pensar nisso, agora deixo uma certeza, na base ou na primeira divisão, a Rosarinho será sempre uma apaixonada pela Rítmica e orgulhosa de pertencer ao Boavista.


Entrevista de 
Manuel Pina

domingo, 16 de abril de 2017

MARIANA SÁ, COORDENADORA DE GINÁSTICA ACROBÁTICA

O OBJECTIVO PRINCIPAL, É CLASSIFICAR TODOS OS ATLETAS PARA O CAMPEONATO NACIONAL 

Mariana Sá, é actualmente a coordenadora/treinadora da ginástica acrobática do Boavista, no seu regresso ao clube que representou durante anos como atleta.


Vamos fazer a sua apresentação?

Chamo-me Mariana Sá, tenho trinta e quatro, sou professora de educação física e treinadora de ginástica acrobática. Fui atleta do Boavista durante cerca de quinze anos.
Vamos falar mais em pormenor dessa fase. Como entrou no Boavista?

Cheguei cá com três/quatro anos, nas classes de iniciação e depois, por volta dos meus cinco anos de idade, passei para a acrobática.

E porquê acrobática e não outra modalidade?

Não me recordo bem, mas penso que os meus pais ainda me fizeram experimentar na artística, mas como era muito pequena, ainda não deveria ter a força ou o músculo para continuar na modalidade e essa foi  a razão para passar para as classes mais de iniciação.

Parecido com o actual playgym?

Podemos considerar assim. Isso, aconteceu nas instalações localizadas aqui por cima.

Depois disso?

Depois. Passei para a acrobática.

Ainda como atleta, tem alguns resultados mais significativos que se recorde?

Julgo que a nível distrital e até nacional, conseguimos alguns bons resultados. Nessa altura, a modalidade não estava tão desenvolvida como está actualmente e os resultados não poderiam ser muito mais significativos. Estávamos no início.

Pelo que julgo, aconteceu uma interrupção entre a atleta e o aparecimento da treinadora. A que se ficou a dever tal facto?

Eu deixei a acrobática e o Boavista, quando ficamos sem o pavilhão Acácio Lelo. A ginástica do Boavista, nessa fase, ficou um pouco partida e complicada, coincidindo com a minha entrada na Faculdade. Tudo junto, originou que eu terminasse a minha carreira de atleta.

No seu regresso, já como treinadora, não veio de imediato para o Boavista. Em que clubes trabalhou?
Entrei para o Sport Clube do Porto, porque havia lá muita gente conhecida que tinham saído do Boavista, por causa do desaparecimento do pavilhão, ingressado naquele clube. Isto aconteceu há cerca de seis anos.


Como se dá o regresso ao Boavista?

Foi um pouco acidentalmente. O treinador que estava no clube saiu e a Carina que me conhecia, quis saber a minha opinião a cerca de um possível regresso. A Carina, conhecia-me bem das provas porque para além de treinadora eu sou Juiz, e assim, existia grande contacto entre nós. O processo, desenvolveu-se e a Directora Sara Monteiro, convidou-me oficialmente e eu aceitou com enorme prazer.


Sei que lhe reconhecem (já) a responsabilidade de um grande desenvolvimento da acrobática do Boavista. Como encontrou a acrobática do Boavista, no seu regresso?

Quando cheguei em meados de Novembro e a equipa já estava formada, ou seja, tudo que havia para decidir no referente a esta época estava praticamente decidido. Os grupos, estavam formados e por isso, aí, não pude mexer muito. Acho que os grupos estavam bem constituídos e considero que têm muito potencial, precisam de trabalhar um pouco mais e de gostar mais do que fazem.

Quantas atletas tem no momento?

Temos cerca de trinta atletas.

Mas já foi implantando algumas alterações para o futuro?

Quero implementar algumas coisas para alterar mentalidades. A diferença que eu notei em comparação com o Sport, é que vejo que os miúdos consideram que já atingiram o máximo e não conseguem mais. Por isso, temos que fazer um treino mais metódico, com menos brincadeira, com mais objectivos.

Vai ser a sua aposta?

Vai ser uma grande luta. Não só com os atletas, mas também com os pais. Há muitas faltas aos treinos, porque os próprios pais, não vêem isto, como tão importante e séria, como acho devem passar a ver.


Qual a constituição da sua equipa técnica e que tempo de treino têm semanalmente?

Trabalho com mais duas colegas, com a Carina Garcia e o Jorge Teixeira. Curiosamente, o Jorge foi meu atleta no Sport e por isso, acho que estamos bem identificados. Os três fazemos uma boa equipa. 
Treinamos quatro dias por semana, cerca de duas horas e meia por dia e já consegui que o Artur (Coordenador da artística) no cedesse o ginásio um, a partir das dezanove horas e vamos intensificar os nossos treinos.

Objectivos?

O principal objectivo, é que os atletas consigam classificar-se para o campeonato nacional. Sabemos que nesses campeonatos, será difícil conquistar algum pódio, porque ainda é cedo. Sabemos que o ano passado o Boavista, só levou um grupo ao nacional. Neste momento, nós temos seis grupos que podem ser apurados e o nosso desafio é esse mesmo.

Como se consegue ser professora profissional, treinar duas horas e meia aqui?

E mais a família em casa, acrescento eu. É preciso uma ginástica muito grande mas tudo se consegue, quando gostamos de tudo.

Para além de treinadora, ao contactar diariamente com esta juventude, sente-se também uma formadora de “gente do amanhã”?

Esse é dos objectivos, talvez mesmo o principal e mais importante. Ao fim e ao cabo, nós damos as ferramentas e eles trabalham. É muito positivo, vermos depois os resultados conseguidos, por todos.

domingo, 9 de abril de 2017

CARLA FARIA, UM CASO RARO QUE PODERIA TER DESTUÍDO UMA CARREIRA E NÃO SÓ

SALVA PELO ATLETISMO

Carla Faria, uma das melhores atletas do Boavista Futebol Clube na modalidade de atletismo. Atravessou uma fase difícil que lhe poderia vir a ter consequências para toda a sua vida.

Mais que conhecermos as razões, esta entrevista pode servir para um “grito de alerta” para as “facilidades”, como por vezes, encaramos alguns factos a nível de saúde e prova, que muitas das vezes a prática do desporto, nos revela situações, que sem essa prática poderiam passar ao lado.

Carla Faria, no seu jeito simples de ser e com a coragem de saber estar, entrou em pormenores (sem medo) da sua vida intima, para nos explicar este caso, intrigante, que lhe poderia ter destruído o seu futuro (vítima de um fármaco que em França provocou a morte a dezenas de jovens mulheres).

Mais que explicar a travessia de um deserto de resultados, Carla, atravessou um temporal com consequências nefastas para o seu futuro.

Salva pelo atletismo, que lhe ajudou a fechar a “Caixa de pandora”.

Vamos a factos!


Carla, tenho conhecimento que esta época te está a correr ao lado. Quais as razões deste afastamento de resultados?

Eu, comecei a época mesmo mal, chegando a pontos de quase não conseguir correr, com um cansaço enorme e constante.

Desculpa interromper. Mas qual a razão? Abrandamento nos treinos?

Não. Eu continuei a treinar como sempre o fiz, mas sentindo muitas dificuldades, daí começar a pensar que as razões eram de cariz de saúde. Mais tarde, confirmei este palpite, após ter feito as provas de pista coberta, tendo terminado com tempos miseráveis, os meus tempos foram simplesmente miseráveis.

Assim, decidi ir ao médico, que me mandou fazer várias análises e descobrimos o que realmente me causava todos os estes problemas.

Qual era a razão?

Ter iniciado um tratamento para o acne, passando por um medicamento anticonceptivo, que alterou todo o meu ciclo hormonal e vascular.

Não vamos entrar, na tua vida privada, por isso, vamos “dar um salto” sobre o assunto…

Não, (interrompeu-nos) senhor Pina, podemos continuar no tema que acho até importante para esclarecer em futuros casos. Esteja à vontade.

Vamos então saber quais os resultados que as análises apresentaram?

A hemoglobina estava baixa. O colostral estava muito alto e tive que parar com a pílula, que se provou ser a base de todos os desarranjos hormonais e agora sinto-me a voltar ao meu normal.

Em termos de resultados, eles foram assim tão diferentes?

Absolutamente. Em tempos de pista eram horríveis, aliás não podiam ser de outra maneira, pois eu em três meses engordei… oito quilos!

Mas mesmo continuado os treinos?


Sempre treinei, mas o peso aumentava constantemente e mais que o peso eu sentia-me a ficar inchada e a ver o meu corpo a mudar…para pior, mesmo no aspecto de aparência física. Foram tempos horríveis. 

Já que insistes, vamos, então, invadir um pouco a tua privacidade. Como se processou tudo isso?

Tudo começou, ao aparecer-me na face direita, várias “borbulhas” que quase pareciam feridas. Eram horríveis e eu resolvi tratá-las, juntando a isso, o facto de ter um nível de ciclo menstrual, demasiado irregular, o que transtornava a vida desportiva, e durante o mesmo, ter dores horríveis. 
Tudo junto, me levou a consultar o médico, que me aconselhou a iniciar o uso da pílula para “organizar” a minha vida hormonal. As feridas na cara passaram, mas o resto surgiu...

Foi o abrir da Caixa de Pandora”?

Acho que sim. Foi um tempo terrível que passei. Engordei não conseguia correr, inchava e naturalmente a minha moral, como atleta e pessoa. Foi caindo.

Quando paraste com esse tratamento?

Em Janeiro. Depois de ter feito exames clínicos. recuperei e já fiz os nacionais de corta-mato, com os tempos a melhorar, que me fez começar a sentir bem.


Vamos fechar, mas não esquecer, esta fase. A última pergunta (para servir de alerta as jovens interessadas) qual o nome do fármaco que te “envenenou”?


Mas, se vamos encerrar este assunto, quero enaltecer toda a ajuda que o Baltasar Sousa me deu. Como meu treinador, acompanhou todo o processo, entreviu, aconselhou e quando viu aqueles resultados…ajudou a procurar a solução. Não esquecerei.

NR – Para evitar problemas, com marcas, decidimos, não publicar o nome do fármaco, embora a Carla nos tenha identificado o nome.  Pesquisamos na Net e descobrimos, que o fármaco em questão, teve as suas vendas proibidas em França (2013), depois de ter sido provado, que foi o responsável pela a morte (no mínimo) de 27 jovens mulheres, entre os 18 e os 24 anos.
Que resultados obtiveste no regresso?

Nos nacionais oficiais fui décima segunda e nos universitários juniores, fui sexta.

Nessa fase, como te falavam as pessoas?

Todas as pessoas achavam que isto se deveria estar relacionado, com a minha mudança de estilo de vida. A mudança de casa de meus pais para o Porto, a entrada na Faculdade e consequente mudança de hábitos. Os meus amigos, diziam até, que eu tinha entrado na “má vida” de estudante e logo sofria de um stress que me tinha alterado consideravelmente a vida. Nada disso era verdade, mas cheguei a equacionar estar a ser vítima do tal stress.

Vamos entrar na parte desportiva. Como foi o teu regresso?

Como disse foi nos Nacionais de corta-mato, onde corri pelo Boavista e no desporto Universitário. Foi um dia cheio de emoções e dificuldades. Tinha chovido torrencialmente durante a noite e a chuva continuou na manhã da prova. 
A pista estava cheia de “piscinas”, com água a atingir os joelhos, o vento era muito forte e muito frio. Eu equipada com o top, sofri bastante, mas era eu contra o tempo e contra mim.
Vi muita gente a desistir e confesso, que cheguei a pensar o mesmo, mas a luta era contra mim e continuei até final, conseguindo um décimo segundo lugar, na geral.

Quando pensas estar na tua forma?

Estou a sentir-me melhor, a recuperar a minha forma e penso lá para Junho ter tudo resolvido. Tenho que deitar fora estes quatro quilos a mais.

Como corres pelo Universitário?

Eles Jã me conheciam e convidaram-me para representar o Instituto Politécnico do Porto.

Que objectivos para esta época?

Primeiro recuperar totalmente, depois atingir um dos seis primeiros lugares nos campeonatos de pista.

Tu corres em pista com atletas que pertencem a clubes que têm pistas e podem especializar-se nesse sector. Não te sentes um pouco marginalizada, se tivesses as mesmas condições, comparada com elas?

Por um lado, penso que podia conseguir melhores resultados, por outro lado, isso não me incomoda, porque confio totalmente no Baltasar que me acompanha e treina.

Quem vai ficar para trás, no futuro, a Engenheira ou a atleta?

Eu estudo para ser engenheira, mas treino todos os dias para ser campeã de atletismo. Nenhuma irá ficar para trás.

Qual a próxima prova? 

A nove de Abril, participarei nos Nacionais Universitários.

Foi uma travessia no deserto?

Sim. Não fiz os nacionais nem os regionais de pista coberta…não valia a pena, com tempos miseráveis.

Temos a Carla Faria de regresso?

Estou a regressar…

Depois de ter passado pelo inferno…dizemos nós!
Entrevista de 
Manuel Pina

quinta-feira, 6 de abril de 2017

JORGE RODRIGUES, UM CAMPEÃO A FORMAR FUTUROS CAMPEÕES

Jorge Rodrigues, um dos melhores (provavelmente o melhor) andebolista português de sempre,  é o actual treinador da equipa Juvenil de andebol do Boavista F.C. que disputa a 1ª Divisão Nacional.
Uma viagem na vida de Jorge Rodrigues, uma viagem pelo mundo do andebol.
Um campeão, que acredita nos jovens do Boavista.


UM DESPORTISTA DE VÁRIAS MODALIDADES
Mister, tive o prazer de o ver jogar várias vezes, mas vamos apresentar o Jorge Rodrigues aos mais jovens, recuando aos primórdios. Porquê o andebol, na sua opção?
O Andebol, foi a minha última modalidade e não a primeira. Comecei por jogar hóquei em patins federado no Sporting de Lourenço Marques (actualmente Maputo) no tempo de Fernando Adrião. Primeiro com o pai na patinagem, depois com o filho no hóquei. Depois dessa fase, passei a representar o Ferroviário de Lourenço Marques.
É Moçambicano?
Não, mas vivi lá durante cinco anos. Sou natural da Apúlia.
Continuemos…
Para além do hóquei, comecei a praticar corta-mato no desporto escolar. Eu gostava muito de atletismo. A minha família regressou ao Continente e passei a viver em Almada, onde existiam muitas dificuldades para continuar a jogar hóquei, por não existirem clubes para essa modalidade. Mesmo assim, estive para acompanhar o meu irmão que jogava hóquei no Belenenses, mas ele sofreu um acidente e teve que amputar um braço e… acabou o hóquei na minha vida.
E apareceu o andebol?
Em Almada, mas dentro do desporto escolar, que era nessa altura a base de recrutamento e formação do andebol.
Em que ano estamos a localizarmos-no?
Comecei no andebol em 1971.
Mas antes disso, comecei a fazer atletismo no Benfica, no meio-fundo. Só que para treinar eu tinha que atravessar todos os dias o Tejo. Era carro, era barco, era autocarro e depois a pé. O Benfica treinava no CDUL. Era complicado e os meus colegas começaram a tentar convencer-me a abandonar o atletismo e ir para o andebol do Almada, para onde iam todos da nossa escola. E lá fui eu para o andebol e para o Almada onde estive quatro anos, numa época de juvenil, uma de júnior e duas de sénior.
E começou a sua carreira de grande jogador. Em que clubes?
Do Almada passei para o Belenenses, onde fui bicampeão nacional, numa época em que o clube esteve quase a não ser inscrito, por causa de uma crise de dirigentes, que quase não inscreviam o clube, depois deste ter sido campeão. Por fim lá o inscreveram e voltamos a ser campeões nacionais.
Mas depois mudou. Para onde?
Para o Sporting, onde também fui campeão nacional
E em seguida vem para o norte. Como deixou o Sporting, que era um baluarte no andebol?
Estava a passar férias na Apúlia e houve um “ataque” surpresa de uma comitiva portista, com o vice-presidente Teles Roxo, que era director de andebol -  que foi posteriormente, meu padrinho de casamento – o António Cunha, o José Magalhães e o Manuel Jorge.
O António Cunha desde quando  eu jogava no Almada que tentava trazer-me para o norte. Aceitei as condições, mas  como tinha compromisso com o Sporting tudo passava pelo clube de Lisboa. Mas libertaram-me, graças ao Sr. Fiel Farinha que era um grande dirigente e, então vim para o Porto, onde estive três anos. Viria a continuar a carreira na Suíça, onde fui profissional durante cinco anos. por fim, regressei a Portugal para ingressar no ABC, onde estive seis anos e lá terminei a carreira de jogador.
Recorda-se de quantas internacionalizações teve?
Penso que 93. Podia ter ultrapassado as 100 como alguns colegas da minha geração, mas o facto de ter ido para a Suíça impediu, muitas vezes, de ser convocado, pelas despesas que isso provocava à federação. Durante a minha carreira de 16 anos, fui sempre convocado para a Selecção Nacional.
Quantos títulos conquistou?
Fui sete vezes campeão nacional, venci cinco Taças de Portugal e três Supertaças, isto como jogador. Como treinador, conquistei uma Taça de Portugal e uma Supertaça, ao serviço do Porto. Eu fui o treinador do Porto, no primeiro ano em que o Pinto da Costa passou a Presidente do Clube e venci a Taça e Supertaça.
O ACTUAL ANDEBOL
Vamos deixar a apresentação de um desportista e passar ao andebol globalmente falando. O atual andebol é muito diferente ou nem por isso do andebol do seu tempo?
Em algumas vertentes está melhor. Os atletas, actualmente, começam mais cedo e têm um tipo de treino mais adequado à competição. Mas em termos de potencial e de talento, as coisas divergem. Os jogadores são mais trabalhados, têm mais tempo de treino e por isso, tem possibilidades de evoluir muito mais.
Mas fico sempre com a ideia que o andebol, é (agora) de mais choque e menos técnico. Concorda ou nem por isso?
Nós tínhamos uma visão de jogo diferente. Antigamente era o desporto escolar a nossa formação, agora essa formação é feita pelos clubes. O desporto escolar não tem a importância que tinha naquela altura, porque havia um campeonato escolar forte e só depois dos juvenis é que os clubes iam convidar os jogadores.
O senhor é o treinador mais conceituado a trabalhar na formação. A que se deve tal facto?
Primeiro por falta de apresentação de projectos credíveis. Eu fui um dos primeiros treinadores profissionais em Portugal, foi um risco que assumi em determinada altura e há uns anos a esta parte optei por treinar formação. Estive ligado a um grande projecto a nível de formação que não teve continuidade por falta de estabilidade financeira.
O BOAVISTA
E como se dá o ingresso no Boavista?
Eu estava num projeto do ABC de Braga e o Hugo Mota convenceu-me a vir para o Boavista.
A equipa de juvenis, consegue uma primeira fase calma e neste momento atravessa um período complicado. A que se ficou a dever esta situação?
Quando começamos tínhamos cerca de vinte e tal miúdos no conjunto das duas equipas de juvenis. Optamos por colocar os mais jovens na equipa “B”, para poderem ter mais jogos e não irem aos “A” com pouca competição e jogarem menos tempo.
Começamos mal, porque não nos conhecíamos, diferenças de treinos etc… mas encarreiramos e estávamos a ficar com uma equipa muito competitiva capaz de lutar pelos lugares de apuramento, que eram os três primeiros. Entretanto, as lesões aparecem e o plantel não era muito largo em termos de mais-valias, mas conseguimos colmatar essas lacunas com jogadores menos utilizados.
As lesões foram muitas?
Perdemos a base da equipa. Quando falha um ainda se vai compondo, mas sem a base ofensiva/defensiva as coisas complicaram-se, porque os outros ainda não estavam prontos para assumir as faltas.
Houve um mês critico, que foi Dezembro. Muitos miúdos saíram, por castigo dos pais por maus resultados escolares outros por outra razão, ou porque não se sentiram capazes e abandonaram o andebol. Parecia que a época se ia iniciar de novo, provocando um grande quebra competitiva.
Neste momento como se encontra a equipa e o que espera até ao final da prova?
Temos tido jogos equilibrados com resultados tangenciais que podíamos ter conquistado pontos. Depois quando nos deslocamos a determinados pavilhões, as arbitragens deixam muito a desejar.
Queixas da arbitragem?
É mesmo gritante a incapacidade de vários árbitros. Os jogadores são novos e estão numa idade de afirmação, de reação e de calma. Como não a conseguiram totalmente, reagem às injustiças e depois desistem. As duplas de árbitros fazem vários jogos por dia e depois, aquilo é só “picar o ponto”.
Como treinador teme a descida de divisão?
Não. Falta-nos vencer um jogo (nr o Boavista venceu este sábado) mas temos que o ganhar e já o podíamos ter ganho. Em Espinho estivemos a jogar bem durante muito tempo e em casa com o Infesta, merecíamos pelo menos, o empate.
Alguma coisa o incomoda no momento?
Temos tido muito pouca gente a acompanhar a equipa, com um pavilhão que fica aqui ao lado do Bessa. Vamos jogar fora e temos muita massa adepta, a puxar a incentivar a empurrar a equipa da casa, e nós em nossa  casa estamos quase sozinhos.
Como  treinador de formação, como me explica que uma equipa se tenha deslocar cerca de duzentos quilómetros para disputar um jogo com início pelas doze horas?
É uma maneira de a federação poder gerir os árbitros. Obviamente que uma equipa à qual isto acontece, entra meia vencida no jogo.
Isto não é antítese da verdade desportiva?
É claramente, mas as leis permitem.
Para continuar no Boavista, irá impor algumas normas?
Nem por isso. Tudo parte da vontade dos atletas.
No momento, temos vinte tal juvenis, vinte e tal iniciados e vinte e tal infantis. Estes são a base do trabalho para o futuro. No escalão de Iniciados temos bons miúdos, tanto que grande parte deles estão a jogar no juvenis nas duas equipas, devido à carência da equipa de juvenis, pelas lesões que aconteceram. Temos uma boa massa para poder trabalhar.
Sente-se atraído pelos jovens dessa equipa?
Eles próprios têm que sentir que querem jogar e querem evoluir. Isso passa pelo próprio atleta mas também do acompanhamento dos pais. Na responsabilidade que têm que assumir porque as distrações são muitas, principalmente no escalão de juvenis que é uma idade de afirmação pessoal e logo, muito complicada e critica. Têm muitas atividade que os podem distrair daquilo que os treinadores pretendem.
Têm que se começar cedo para se ver os que gostam, os que querem e apostam. Com esses posso continuar a trabalhar.
NOTA: Na próxima semana será publicada uma entrevista (complemento) com Jorge Rodrigues, na qual nos debruçaremos, sobre outros assuntos de carácter global do Andebol
Entrevista de 
Manuel Pina

terça-feira, 14 de março de 2017

GUILHERME ALMEIDA, BICAMPEÃO NACIONAL DE VIET VO DAO

Na continuação da apresentação da modalidade de Viet  Vo Dao, apresentamos a opinião de um jovem bicampeão Nacional.

 Como te chamas e que idade tens?

O meu nome é Guilherme Almeida e tenho doze anos.
És praticante da modalidade, há quanto tempo?
Aproximadamente há sete anos.

O teu caso prova que mesmo sendo uma Arte Marcial, se pode iniciar com pouca idade. Concordas?
Depende. Por norma, começamos pelos cinco anos, que é o desejado. Daí para cima, é livre o inicio na modalidade.
Basicamente o que se pode ganhar na prática do Viet Vo Dao?
Nesta Arte Marcial, ganha-se um grande controlo, porque na escola, o  pessoal da minha idade, só pensa em bater. Ao fim de  cerca de três anos, a treinar a modalidade, nós passamos a ter a noção que podemos magoar alguém se enveredar-mos por bater. 
Na minha opinião ao terceiro ano de prática, temos a consciência que não devemos tocar agressivamente em ninguém, porque temos poder para magoar. acima de tudo aprendemos a defender-nos.

Então a modalidade alterou a tua sensibilidade?
Obviamente. No Viet Vo Dao, temos a parte teórica e a parte prática. Para se passar de nível, temos que realizar exames a essas duas partes. A parte teórica, obriga a dar a  conhecer como nos comportamos na escola, em casa, na rua etc… tudo isso, se completa e altera, para melhor, a nossa sensibilidade. Há uma formação contínua e mediante a idade e progresso é que e vai ser atribuído o grau.
É necessário começar cedo na prática do Viet Vo Dao?
Não. Pode-se começar com qualquer idade. Os Mestres é que decidem, depois, qual a técnica a ensinar ao praticante. As técnicas não são dadas as praticantes de qualquer idade, sem haver uma decisão e estudo do praticante. 
Lutas são ensinadas a partir dos doze/treze anos, antes temos que brincar, aprender a saltar, a cair, a dar cambalhotas etc…
Guilherme, tem que se trabalhar muito, para se conseguir ser campeão?
Como em tudo, quanto mais se trabalha, mais se consegue. O Viet Vo Dao, é um conjunto de todas as Artes Marciais, por isso, para se progredir tem que se realizar um bom  trabalho e dedicação, porque não é só com o básico que se consegue resultados.

Falemos de ti. Como se consegue ser campeão nacional?
Com muito trabalho e ter a consciência que o podemos conquistar. Para este campeonato, eu trabalhei quase quatro anos. Foi com essa dedicação que consegui trazer as duas medalhas de ouro.

quinta-feira, 2 de março de 2017

JOSÉ ALMEIDA, APRESENTA A NOVA MODALIDADE, DE VIET VO DAO




O Departamento de Ginástica e Artes Marciais do Boavista Futebol Clube, vai ser reforçado com mais uma modalidade, que inicia hoje, a sua actividade, no espaço dos ginásios axadrezados.

A modalidade denominada de Viet Vo Dao, teve origem no Vietname, há vários séculos. 
Nos  próximos dias, iremos apresentar progressivamente, a História da Modalidade.

Para melhor conhecermos alguns pormenores sobre a  modalidade, convidamos o Mestre José Almeida, que será o Professor/Mestre do Viet  Vo Dao, no Boavista.


Vamos iniciar esta nossa conversa, apresentando o Mestre José Almeida. Onde e quando se iniciou na modalidade?

Treino, Viet Vo Dao, desde mil novecentos e oitenta e oito, comecei em Valongo e posteriormente passei para Matosinhos, sempre acompanhado pelos Mestre Rocki e Mestre Ilídio, seguindo sempre a filosofia da modalidade em Portugal. 
Depois de dezoito anos, exclusivamente em Matosinhos, passei a dar aulas em várias escolas do grande Porto. 
Tenho uma graduação de segundo Dan, sou treinador há trinta e oito anos.


Vamos iniciar uma “viagem/comparação” entre modalidades. Mas, como é lógico vamos começar pelo Viet Vo Dao. Como explica a base da modalidade?

Nos tempos passados do Vietname, os seus habitantes, tinham que se defender de constantes ataques e foram inventando armas. Tudo era transformado em armas, facas, paus, leques, espadas etc… e assim foi criada a Arte Marcial Viet Vo Dao. Tudo numa base de defesa.


Comparando a modalidade com o Karaté, por exemplo, quais as diferenças?

O Karaté, utiliza muito as mãos nuas, quando digo mãos digo tronco, pernas e pés, mas tudo nu. Isto é sem qualquer arma ou objecto. Nós, treinamos todo o corpo e com todas as armas possíveis, como por exemplo; Paus curtos, paus longos, leques…


Resumindo…

O Viet Vo Dao, tem tudo que o Karaté tem, tem tudo o que o Kung-fu tem e tem tudo que o Judo tem. Nós temos tudo o que os outros têm, porque todos vieram ao Viet Vo Dao, buscar as suas bases.


Como se deu a colaboração com o Boavista e como se podem inscrever todas as pessoas interessadas?

Decidi, que toda a actividade a ter na cidade do Porto, passaria a ser no espaço do estádio do Bessa, assinando assim um protocolo com o Boavista. As aulas/treinos passarão a ser no ginásio número quatro do Bessa, terminando os treinos que realizávamos no ginásio da Escola Fontes Pereira de Melo.

Temos vários cartazes que vamos distribuir e que têm os contactos da Secretaria da Ginástica do Boavista e o meu contacto pessoal. Todos os interessados podem utilizar qualquer um desses números para saber informações. Também podem utilizar a nossa página do Facebook em “Vietvodaojic”

Temos fichas individuais para todos os membros serem inscritos na Federação Mundial.
Esta modalidade, que praticamos em Portugal é rigorosamente igual ao que se faz no resto do mundo. Há um programa mundial, cumprido rigorosamente, que nos vai permitir participar nos jogos Olímpicos, como modalidade especifica e independente de todas as restantes.


Temos aqui um filho do senhor, sinal que a modalidade é praticada por familiares. É verdade?

Sim. Aqui o meu filho (apresentaremos entrevista, com o jovem ainda esta semana, na continuidade da apresentação da modalidade) já se sagrou este ano como bicampeão nacional. A minha filha, foi medalha de bronze no campeonato do mundo, ganhou o Campeonato Nacional e venceu também o campeonato intercontinental.
Acredita nesta aposta com  o Clube?

Acredito, porque com alguma divulgação interna podemos beneficiar de um bom trabalho, dada a grandeza do Boavista Futebol Clube.